Educação
Publicado às 10h40 — 9 de setembro de 2015
Sessão para definir Plano de Educação tem polêmica

Guarda Civil Municipal precisou separar manifestantes religiosos e grupos LGBT

Por Leonardo Ratti | Portal Mauá e Região
Foto: Rodrigo Pinto

Foto: Rodrigo Pinto

A sessão para aprovação do projeto de lei que cria o Plano Municipal de Educação foi cercada de polêmica na tarde de ontem (08). Grupos religiosos ligados à igrejas católicas e evangélicas protestaram contra a possibilidade da inclusão da palavra “diversidade” no texto.

Segundo representantes dos grupos religiosos, a palavra poderia ser uma “brecha” para que a Secretaria De Educação implantasse projetos de orientação sexual nas escolas municipais. Manifestantes rezaram e entoaram coros como “não à ideologia do gênero” e “sim à família”.

A Guarda Civil Municipal precisou formar um cordão separando os religiosos dos manifestantes pró LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros), que gritavam “não ao preconceito”. Não houve confronto físico.

No fim, a palavra “diversidade” foi retirada do artigo 3 do plano que dizia “garantia de princípios que dizem respeito aos direitos humanos, à diversidade e à sustentabilidade socioambiental”.

Outros Destaques

Colunistas

Otávio Zaia e o livro “Nóis sabe português”

Colunistas

AVC em crianças

Colunistas

A Sociologia dos Trópicos

Siga-nos
Destaques
Jornada Pedagógica de Ribeirão reúne 1.200 professores
Mauá discute melhorias na Saúde
Em congresso, PSB Mauá reelege Israel Aleixo
Revista
Jornal