Meio Ambiente
Publicado às 14h49 — 22 de abril de 2016
Campanha para descarte correto de lixo hospitalar

Coleta de lixo comum da cidade recolhe em média 40 mil toneladas de lixo ao mês

Por Leonardo Ratti | Portal Mauá e Região
Foto Ilustrativa

Foto Ilustrativa

A Prefeitura da Estância Turística de Ribeirão Pires, através da Secretaria de Meio Ambiente em parceria com a LARA – empresa responsável pela coleta de lixo no município, realiza a coleta de resíduos sólidos domiciliares em prol da cidade limpa, oferecendo um serviço cuidadoso que resulta no bem-estar da população. Apesar do serviço oferecido, há ainda o descarte irregular de lixo hospitalar de departamentos próximos a Ribeirão Pires, que oferecem riscos à saúde da população.

Visto a grande quantidade de resíduos hospitalares que são produzidos diariamente em clínicas, consultórios e hospitais, é necessário o descarte regular de forma correta, tanto para resíduos de natureza de atendimento médico para seres humanos quanto para animais. A empresa responsável pela coleta de lixo comum da cidade recolhe em média 40 mil toneladas de lixo ao mês, com o descarte irregular este número sobe para quase 60 mil.

Este número é resultado do lixo hospitalar de cidades vizinhas que não realizam o descarte correto dos materiais inflamáveis. A Secretaria de Meio Ambiente solicita atenção de clínicas, hospitais e comércios da região visando o bem estar da população e do meio ambiente.

Segundo a secretária do Meio Ambiente, Silmara Delfino, o descarte irregular pode apresentar riscos à saúde humana e ao meio ambiente. “O descarte incorreto de materiais adotados em procedimentos técnicos, como resíduos contaminados, pode trazer risco à saúde humana e ao meio ambiente com a grande variedade de substâncias tóxicas, inflamáveis e até mesmo radioativas”, afirma Silmara.

ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) regulamenta o correto procedimento que deve ser realizado com relação ao lixo hospitalar e sua destinação. De acordo com a norma, todo o material especificado como lixo hospitalar deve ser devidamente condicionado em embalagens específicas para a sua destinação correta, e classificados da seguinte forma:

– Todos os resíduos considerados infectantes tem de ser colocados em sacos plásticos de cor branca, contendo identificação indelével do laboratório/biotério;

– Salienta-se ainda que esse mesmo saco plástico branco deve conter também a identificação do símbolo infectante de forma visível;

– Os sacos plásticos, para maior segurança, deverão conter não mais do que 2/3 de sua capacidade total, evitando-se assim que os mesmos rasguem ou transbordem;

Outros Destaques

Colunistas

Otávio Zaia e o livro “Nóis sabe português”

Colunistas

AVC em crianças

Colunistas

A Sociologia dos Trópicos

Siga-nos
Destaques
Jornada Pedagógica de Ribeirão reúne 1.200 professores
Mauá discute melhorias na Saúde
Em congresso, PSB Mauá reelege Israel Aleixo
Revista
Jornal