Ribeirão Pires
Publicado às 15h34 — 27 de abril de 2017
Ribeirão recebe Festival de Combate à Homofobia

Evento será realizado na Vila do Doce, em 20 de maio, entre 18h e 23h30

Por Vinicius Pinheiro | Portal Mauá e Região
homofobia

Evento marca Dia Internacional contra a Homofobia e a Transfobia. Foto: Andréa Iseki

Pela primeira vez, Ribeirão Pires terá um Festival de Combate à Homofobia. O evento será realizado em 20 de maio, um sábado, entre 18h e 23h30, na Vila do Doce. Aos moldes da Parada LGBT, terá momentos de reivindicações e conscientização sobre direitos. Em destaque entre as atrações musicais estará Léo Aquilla, drag queen que participou de reality show.

A idealização do festival é da Arpa LGBT (Associação Ribeirão Pirense de Apoio LGBT), dirigida por Rafael Ventura. “O GAD [Grupo de Apoio à Diversidade] faz muito evento durante a sessão na Câmara, de honra ao mérito, aqui na cidade. A gente quer fazer um evento para a população em geral, como se fosse uma Parada Gay, com festa e ao mesmo tempo exigindo direitos, colocando as questões que precisam melhorar através da música”, afirmou o diretor da ONG.

O evento será totalmente gratuito, com Léo Aquilla como atração principal. Os artistas Gabriel Rocha, Ivan Inácio e Samanta Banks também farão apresentações. O GAD e a Prefeitura estão apoiando o Festival.

DIA CONTRA A HOMOFOBIA
O festival marca o Dia Internacional contra a Homofobia e a Transfobia, celebrado em 17 de maio pela ONU (Organização das Nações Unidas). Em 1990, nesta data, a OMS (Organização Mundial da Saúde) retirou a homossexualidade da Classificação Internacional de Doenças. Desde então, o dia virou um símbolo da luta pela diversidade sexual, contra a violência e o preconceito.

No Brasil, a data foi oficialmente instituída somente em 4 de junho de 2010, por meio de decreto do presidente da República. No País, o 20 de maio é chamado Dia Nacional de Combate à Homofobia.

APOIO DA PREFEITURA
A Prefeitura auxilia no festival cedendo o espaço, estrutura e equipamentos de som e uma tenda para o caso de chuva. A Secretaria de Política Comunitária e Institucional de Ribeirão Pires apoia o evento diretamente, conforme afirmou a secretária Elza da Silva Carlos, mais conhecida como professora Elzinha.

A secretária reforçou a importância do diálogo com movimentos sociais para a realização do festival e de outros eventos na cidade. “Nesse dia a ideia é discutir de uma forma irreverente a questão do preconceito e discriminação contra homossexuais”, disse.

PODER PÚBLICO
Nesse processo de diálogo entre a Arpa LGBT com a Prefeitura, levantou-se a possibilidade da criação de uma lei municipal que punisse os crimes contra homossexuais. O assunto ainda está sendo discutido para avaliar a viabilidade, uma vez que já existe uma **Lei Estadual sobre esse tipo de crime.

Outra discussão que está sendo realizada é a criação da Coordenadoria de Gênero e Diversidade Sexual dentro da Secretaria de Política Comunitária e Institucional. “A proposta já está no jurídico da secretaria, para que a coordenadoria possa pensar exclusivamente em políticas públicas para essa questão. Faz parte do nosso papel, dialogando com os movimentos sociais”, disse Elzinha.

Por Jessica Marques – ABCD Maior

Outros Destaques

Colunistas

Otávio Zaia e o livro “Nóis sabe português”

Colunistas

AVC em crianças

Colunistas

A Sociologia dos Trópicos

Siga-nos
Destaques
Jornada Pedagógica de Ribeirão reúne 1.200 professores
Mauá discute melhorias na Saúde
Em congresso, PSB Mauá reelege Israel Aleixo
Revista
Jornal