Ribeirão Pires
Publicado às 14h10 — 3 de outubro de 2016
Kiko é eleito prefeito de Ribeirão Pires

Candidato do PSB assumirá comando da cidade após ser prefeito de Rio Grande da Serra

Por Vinicius Pinheiro | Portal Mauá e Região

kiko

Ex-prefeito de Rio Grande da Serra por dois mandatos, Adler Kiko Teixeira (PSB) fez história ao ser eleito ontem como novo chefe do Executivo de Ribeirão Pires. O único político que já governou duas cidades da região havia sido Lauro Gomes (1895-1964), prefeito de Santo André e São Bernardo nas décadas de 1950 e 1960.

Kiko repete o feito, sendo o primeiro a fazê-lo depois da redemocratização do Brasil, em 1985. O socialista foi eleito por 30,31% dos votos válidos, que correspondem a 17.703 eleitores. Em contraponto, Saulo Benevides, que tentava a reeleição, teve o pior desempenho de um chefe de Executivo da história do Grande ABC, ficando em sexto colocado, com 2,77%, equivalentes a 1.616 votos.

Com coligação de 13 partidos, o agora prefeito também conseguiu eleger grande bancada de sustentação: sete dos 17 novos vereadores são de sua base de aliados.

Desde o início do dia, Kiko seguiu em clima sereno, evitando declarar a eleição como ganha, mas demonstrava confiança. O então postulante foi votar, por volta das 11h, no colégio São José, no Centro da cidade, acompanhado de sua mulher, Flávia Dotto, seu vice, o então vereador Gabriel Roncon (PTB), e apoiadores. O socialista também encontrou o adversário e ex-prefeito Luiz Carlos Grecco (PRB) antes de entrar na seção eleitoral e ambos trocaram cumprimentos de forma efusiva.

A apuração de Ribeirão Pires começou depois das outras cidades do Grande ABC, quase 19h, e seguiu em ritmo lento até as 22h. Kiko, no entanto, não foi eleito com larga vantagem. Grecco e Edinaldo de Menezes, o Dedé (PPS), ficaram em seu calcanhar até o fim. A votação se encerrou com o popular-socialista em segundo lugar, com 15.385 votos, e o ex-chefe do Executivo em terceiro, com 13.942 sufrágios.

Ao longo do dia, o então prefeiturável também reclamou da campanha de seus adversários contra ele numa tática que considerou “suja” – os opositores atacaram o socialista durante todo pleito, questionando seu domicílio eleitoral, afirmando que ele não mora em Ribeirão Pires e que a população optaria por um candidato que conhecesse a cidade. Dedé e Saulo também alfinetaram o ex-prefeito de Rio Grande, relembrando que Kiko teve sua candidatura deferida no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) apenas com recurso.

VITÓRIA
Na festa da vitória, realizada no comitê eleitoral do partido, Kiko e Gabriel Roncon comemoraram com aliados e mesmo com o prefeito reeleito de Rio Grande da Serra e pupilo de Kiko, Gabriel Maranhão (PSDB), que fez questão de encerrar sua própria comemoração com antecedência para prestigiar o padrinho político.

“A campanha saiu da forma que nós desejávamos. Infelizmente fomos muito atacados por aqueles que não respeitam o jogo democrático. Acredito que isso deve ter dado algum prejuízo à nossa campanha”, afirmou.

Apesar da dificuldade, para Kiko, já ter sido prefeito foi um ponto positivo. “Fico feliz por termos a oportunidade de mostrar nosso trabalho pelos próximos quatro anos, mostrando que mudamos uma cidade com pouco orçamento e vamos mudar aqui também. As pessoas de Rio Grande davam testemunho do nosso trabalho lá para moradores de Ribeirão e isso foi muito importante”.

Por Vitória Rocha – Diário do Grande ABC

Outros Destaques

Colunistas

AVC em crianças

Colunistas

A Sociologia dos Trópicos

Colunistas

Areia Branca, de Luiz Maritan

Siga-nos
Destaques
Início às obras do Centro de Iniciação ao Esporte
Mauá registra queda na criminalidade em maio
Sai a lista das atrações do Festival do Chocolate
Revista
Jornal