Rio G. da Serra
Publicado às 9h00 — 26 de outubro de 2016
Moradores flagram descarte irregular de lixo

Coleta de resíduos estaria sendo feita por funcionários da Prefeitura em caminhões basculantes

Por Vinicius Pinheiro | Portal Mauá e Região
Local de descarte fica próximo a uma UBS, que está em reforma. Foto: Divulgação

Local de descarte fica próximo a uma UBS, que está em reforma. Foto: Divulgação

Os moradores de Rio Grande da Serra flagraram um descarte irregular de lixo no pátio municipal, no centro, na rua Prefeito Cido Franco. Há uma semana, a cidade está sem coleta de lixo e caminhões basculantes com funcionários da Prefeitura estão recolhendo os resíduos domiciliares.

O mau cheiro já é perceptível por quem passa perto e, próximo ao local de descarte, está localizada a UBS (Unidade Básica de Saúde) Central, que está sendo reformada. “São funcionários da Prefeitura que estão jogando e a discussão está grande porque é época de proliferação do mosquito da dengue”, afirmou o metalúrgico Josemar Manoel de Melo, 39 anos, morador da cidade.

De acordo com Melo, os moradores estão sem coleta de lixo desde o início da semana e os coletores passam de segunda e quinta-feira. “Tem lugar que passam esses caminhões e outros, nem estão passando, disse.

O descarte irregular pode causar diversas doenças à população, como hepatite e sintomas como diarreia, conforme afirmou o ambientalista José Soares da Silva, do MDV (Movimento de Defesa da Vida) do ABCD. “O resíduo não pode ficar em contato direto com o solo como está, porque quando se decompõe forma o chorume”, disse.

Além disso, o ambientalista também salientou a propensão de o lixo atrair pragas como roedores, pombos e insetos. “Outro problema é a proximidade com a represa, porque não se sabe o que tem naquele lixo e toda substância vai para o reservatório de água”, avaliou.

Os trabalhadores também correm risco, pois não estão com roupa adequada e nem têm treinamento para transportar o lixo, como os coletores têm. “O município de Rio Grande da Serra nunca teve um Plano Municipal de Resíduos. Isso que estão fazendo é crime ambiental e podem ficar sem receber repasses do governo federal”, disse Soares.

O motivo apontado pelo ambientalista de a coleta estar sendo feita de forma irregular é uma greve dos trabalhadores da Lara, empresa que recolhe os resíduos da cidade, que estariam com os salários atrasados. Procurada, a Prefeitura não se posicionou sobre o assunto trabalhista, nem o descarte ou situação do Plano Municipal.

Por Jessica Marques – ABCD Maior

Outros Destaques

Colunistas

Literatura, memória nacional e ensino de língua portuguesa

Colunistas

Entrevista exclusiva com o Prof. Dr. Saulo César Paulino e Silva

Colunistas

Cadê você?, de Tainá Roberta

Siga-nos
Destaques
Paço de Ribeirão é alvo de assalto a caixa eletrônico
Estamos em Manutenção Programada. Retornamos em 2018
Porcelana Schmidt abre nova loja em Mauá
Revista
Jornal